Com investigações da Justiça equatoriana sobre a corrupção na estatal do petróleo Petroecuador envolvendo seu vice-presidente Jorge Glas, o presidente Lenín Moreno viajou no dia 18 de setembro de 2017 à Nova Iorque, para participar da 72a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas.

No dia 20, em seu discurso, Moreno não mencionou os problemas internos e ressaltou uma agenda positiva de sua administração. Aproveitou a ocasião para apresentar seu plano governamental que consiste no amparo estatal ao cidadão, chamado plano “Toda uma vida”. Este projeto é uma política de assistência aos equatorianos desde seu nascimento até a sua morte, e sobre isto cunhou um bordão: “garantir bem viver e bem morrer.

Em um momento em que os países da América do Sul como Brasil e Argentina adotam diretrizes governamentais que estão voltadas para reformas econômicas e dão menos ênfase às políticas sociais, o Governo Moreno as toma como a prioridade de sua administração.

Discurso do Presidente Lenín Moreno na ONU

Em seu discurso na ONU, afirmou: “Temos organizado uma gestão de governo em torno do plano chamado ‘Toda uma vida’. Um país e um governo responsáveis devem cuidar e inspirar e impulsionar, acompanhar e ser grato com seus concidadãos durante toda a vida sobre o princípio de corresponsabilidade”. Dentre os programas deste plano destacam-se o “Plano Casa para todos” e o “Plano Mulher”, cujas metas são a prevenção e atenção às mulheres, com ênfase na situação de pobreza e vulnerabilidade.

No plano internacional, mencionou também em seu discurso a possível confrontação nuclear entre Estados Unidos e Coreia do Norte, a crescente pobreza e desigualdade no mundo e a questão climática. Declarou: “Isto demonstra que, como humanidade, estamos falhando, devemos nos comprometer com a construção da paz”.

Invocou ainda os países do mundo a aderirem ao Acordo de não Proliferação de Armas Nucleares. Mencionou que a indústria militar “é um grande negócio” e afirmou que não compreende a perseguição aos traficantes e não aos produtores de armas. Além disso, citou o apoio ao Acordo de Paz na Colômbia. Segundo ele, “O militarismo não é uma resposta, só traz sofrimento, dor e morte, por isto apoiamos, decididamente, os diálogos de paz em nossa República irmã da Colômbia. Celebramos o Acordo de Quito, anunciado há poucos dias para o cessar-fogo bilateral e temporal na Colômbia, assim passo a passo se cumpre a proclamação da Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe – CELAC de ser uma região de paz”.

Moreno referiu-se ao cessar-fogo entre o Exército de Libertação Nacional (ELN) e o Governo da Colômbia, celebrado em Quito, no Equador, no dia 4 de setembro de 2017. Este acordo entrou em vigor no ontem, domingo, dia 1o de outubro de 2017, e terá validade de 102 dias, ou seja, até 12 de janeiro de 2018.

A Política Externa para a Paz da administração Lenín Moreno tem sido vista como muito importante em um contexto no qual o presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, tenta promover uma frente de pressão contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ao invés de procurar o diálogo, buscando uma alternativa negociada. Neste ínterim, é de se presumir que Moreno busque se colocar como um importante interlocutor fomentador do diálogo, propondo uma alternativa pacífica para os dilemas latino-americanos, tal como os Acordos de paz assinados em Quito.

———————————————————————————————–                    

Notas:

* Acordo de Quito: O Equador tem sido um importante mediador do processo de paz entre o Governo da Colômbia e as guerrilhas das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC-EP) e o Exército de Libertação Nacional (ELN). Estes acordos são chamados de Acordo de Quito por serem assinados pelos representantes do Governo e das guerrilhas na cidade de Quito, no Equador.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Presidente Lenín Moreno e a Primeira Dama Rocio Gonzalez, com o Secretário Geral da ONU, António Guterres” (Fonte):

https://twitter.com/Lenin/status/910949142100430848

Imagem 2 Foto do discurso do Presidente Lenín Moreno na ONU” (Fonte Print screen Youtube):

https://www.youtube.com/watch?v=7nNHfFNDWko

About author

É doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Faculdade de Ciências e letras da UNESP - Araraquara - SP. É Mestre em História desde o ano de 2003 pelo programa de Pós - Graduação em História da UNESP de Franca/SP, atuando principalmente nos seguintes temas: História, política, democracia, militarismo, segurança, defesa e Relações Internacionais. Membro do Grupo de Pesquisas sobre História Política e Estratégia - GEHPE-UFMS e do Núcleo de Pesquisas sobre o Pacífico e Amazônia - NPPA (FCLAr UNESP). É professor de História da América da Universidade Federal do Mato Grosso do Sul - UFMS - campus de Coxim/MS
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Especialistas independentes da ONU recomendam suspensão de Sanções a Estados durante a pandemia

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Avifavir: o antiviral russo contra a Covid-19

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Em meio à pandemia global, exportações chinesas apresentam aumento inesperado no mês de julho

NOTAS ANALÍTICASSegurança Internacional

Soldado embriagado na República Democrática do Congo mata 12 civis

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by