ÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Principais novidades na Política Externa de Xi Jinping

Historicamente, a política externa chinesa é focada no seu entorno regional, com iniciativas para manter um papel relevante na governança da Ásia e do Pacífico. Nas últimas décadas, a China busca tornar-se uma potência global, com influência em vários continentes. Apesar disso, a liderança chinesa afirma que a ascensão do Estado será pacífica. Desde que chegou ao poder, em 2013, o presidente Xi Jinping aprofundou o projeto globalista, acrescentando maior assertividade ao discurso e promovendo iniciativas ambiciosas de projeção internacional.

A política externa de Xi Jinping caracteriza-se pelo reforço da diplomacia presidencial*. O mandatário assumiu cada vez mais funções na condução das relações exteriores, inclusive criando conceitos para interpretar a ordem global e o papel da China no mundo. Em 2013, ele afirmou que o mundo viveria um “novo tipo de relações internacionais” e defendeu a ideia de uma “comunidade de destino compartilhado da humanidade”, termo que foi inserido em vários documentos da Organização das Nações Unidas. Além disso, o Presidente vem defendendo o papel de liderança chinesa na defesa do multilateralismo e do livre comércio.

O governo de Xi Jinping também atua para maior centralização e coordenação do processo decisório em temas de política externa. Em 21 de março de 2018, foi criada a Comissão Central de Relações Exteriores, presidida pelo mandatário. A comissão substitui o anterior pequeno grupo de lideranças, que havia sido acusado de ineficaz por especialistas, pois não coordenava bem as iniciativas de política externa. A mudança pode estar relacionada à necessidade de maior organização para concretizar a principal iniciativa do governo: a Nova Rota da Seda.

O projeto da Nova Rota da Seda, que busca integrar os mercados asiáticos e aprimorar a conexão física até a Europa pela via terrestre e pela via marítima, é a grande ambição do Presidente chinês, segundo analistas. Ocorre que a iniciativa é complexa e envolve a gestão de vários conflitos, já que passa por países do Oriente Médio e pela Caxemira, área disputada por indianos e paquistaneses. Além disso, o projeto requer elevado financiamento. Caso concluído, contudo, poderia aumentar a influência internacional da China significativamente.

Líderes dos BRICS em 2016

A cooperação sul-sul é outra base da política externa de Xi Jinping. Em abril de 2018, foi criada a Agência de Cooperação para o Desenvolvimento Internacional, que, segundo o periódico Xinhua, tem como funções estabelecer diretrizes estratégicas para a ajuda internacional, coordenar e fazer sugestões em temas correlatos, reformar o sistema de ajuda internacional, fazer planos e supervisionar sua implementação. Além disso, o apoio ao desenvolvimento é manifestado por meio do Novo Banco de Desenvolvimento, instituição criada pelo agrupamento BRICS** na Cúpula de Fortaleza (Brasil), em 2014. O Banco não impõe condicionalidades rígidas e tem como foco o auxílio a nações em desenvolvimento.

O presidente Xi Jinping tem, segundo analistas, o objetivo de levar a China à condição de potência global. Para tanto, centraliza a tomada de decisões e participa ativamente da formulação da política externa. O aumento da influência chinesa no plano internacional é buscado por meio de maior cooperação com países em desenvolvimento, de auxílio à integração física na Eurásia e da defesa de postulados do globalismo, como o livre comércio e o multilateralismo. O projeto de inserção internacional da China parece, por ora, estar avançando a passos largos.

———————————————————————————————–

Notas:

* Atuação diplomática em que o mandatário tem papel de destaque, engajando-se em temas de política externa.

** Coalizão que envolve Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul (ingressa em 2011), que se reúne regularmente desde 2008 para debater temas da agenda internacional e promover iniciativas de reforma da ordem mundial, de modo a torná-la menos assimétrica, mais aproximada à atual distribuição internacional de poder e mais representativa dos interesses das nações em desenvolvimento. 

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Xi Jinping no Parlamento Britânico” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Xi_Jinping

Imagem 2 Líderes dos BRICS em 2016” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/BRICS

———————————————————————————————–

Demais Fontes Consultadas

[1] Ver:

https://thediplomat.com/2018/08/chinas-new-foreign-policy-setup/

[2] Ver:

https://thediplomat.com/2018/08/in-xis-china-the-center-takes-control-of-foreign-affairs/

[3] Ver:

http://www.xinhuanet.com/english/2018-04/18/c_137120544.htm

About author

Especialista em Direito e Relações Internacionais pela Universidade de Fortaleza. Especialista em Desafios das relações internacionais, especialização oferecida pela Universidade de Leiden & pela Universidade de Genebra em parceria com o Coursera. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará.
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Especialistas independentes da ONU recomendam suspensão de Sanções a Estados durante a pandemia

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Avifavir: o antiviral russo contra a Covid-19

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Em meio à pandemia global, exportações chinesas apresentam aumento inesperado no mês de julho

NOTAS ANALÍTICASSegurança Internacional

Soldado embriagado na República Democrática do Congo mata 12 civis

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by