fbpx
NOTAS ANALÍTICAS

Projeto de U$20,2 milhões financiará revitalização do setor algodoeiro no MERCOSUL e Caribe, com destaque ao Haiti

AlgodãoA experiência brasileira para promover[1] a melhoria da cadeia produtiva do algodão será compartilhada com países membros ou associados do MERCOSUL e com países do Caribe, com destaque ao Haiti, nos próximos quatro anos.

De 18 a 22 de março, um grupo de técnicos brasileiros e representantes da “Agência Brasileira de Cooperação” (ABC) e da “Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura” (FAO) na América Latina e Caribe começarão[2] no Paraguai o projeto de revitalização do setor algodoeiro.

Na agenda estão previstas reuniões com o “Ministério da Agricultura e Pecuária do Paraguai”, com a “Câmara Algodoeira” e outros órgãos do setor para identificar prioridades e elaborar estratégia de ação no país. Além disso, estão previstos apoios técnicos para a produção e capacitação de agricultores familiares.

Este Projeto* faz parte de um Acordo assinado em outubro de 2012 entre diretor-geral da FAO, José Graziano da Silva, e o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Antonio de Aguiar Patriota, destinado a impulsionar o setor algodoeiro dos países em desenvolvimento, principalmente para agricultores familiares que dependem economicamente deste cultivo.

Conforme divulgado[2], o Projeto terá uma duração de quatro anos e um orçamento total de 20,2 milhões de dólares, dos quais 10 milhões de dólares serão investidos pelo “Instituto Brasileiro do Algodão” (IBA), outros 10 milhões de dólares serão aportados pela ABC, por meio de contrapartidas não financeiras, e o “Escritório Regional da FAO para América Latina e Caribe” entrará com 200 mil dólares, também como contrapartida não financeira.

Inicialmente, as ações estarão centradas nos países membros ou associados ao MERCOSUL e Haiti, podendo ser posteriormente ampliado a outros países em desenvolvimento da “América Latina”, Caribe e “África Subsaariana”.

————————————————-

* Concebido a partir da trajetória, dos recursos técnicos e humanos e da ampla experiência do Brasil na cultura do algodão.

———————————————–

Fontes Consultadas:

[1] Ver:

http://www.rlc.fao.org/pt/programabrasilfao/sala-de-imprensa/noticias/brasil-ira-compartilhar-experiencia-no-setor-algodoeiro-com-paises-do-mercosul/

[2] Ver:

http://www.abc.gov.br/ABC_por/WebForms/interna.aspx?secao_id=37&s=Not%C3%ADcias-da-CTI&c=Projeto-de-U$20-milh%C3%B5es-apoiar%C3%A1-a-transfer%C3%AAncia-de-conhecimentos-brasileiros-para-produtores-de-algod%C3%A3o&campo=464

 

About author

Mestre em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Bacharel em Relações Internacionais, jornalista e Especialista em Cooperação Internacional. Atualmente é CEO do Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais (CEIRI) e Editora-Chefe do CEIRI NEWSPAPER. Vencedora de vários prêmios nacionais e internacionais da área dos Direitos Humanos. Já palestrou em várias cidades e órgãos de governo do Brasil e do Mundo sobre temas relacionados a profissionalização da área de Relações Internacionais, Paradiplomacia, Migrações, Tráfico de Seres Humanos e Tráfico de órgãos. Trabalhou na Coordenadoria de Convênios Internacionais da Secretaria Municipal do Trabalho de São Paulo e na Assessoria Técnica para Assuntos Internacionais da Secretaria do Emprego e Relações do Trabalho do Governo do Estado de SP. Atuou como Diretora Executiva Adjunta e Presidente do Comitê de Coordenação Internacional da Brazil, Russia, India, China, Sounth Africa Chamber for Promotion an Economic Development (BRICS-PED).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!