fbpx
EURÁSIAEUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Rússia paga a última parte da dívida externa herdada da União Soviética

O Ministério das Finanças russo anunciou na última segunda-feira, 21 de agosto, a liquidação integral da dívida externa contraída pela União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS) e herdada pela Federação Russa, sua sucessora legal. O último Estado credor a receber o pagamento foi a Bósnia e Herzegovina, que teve o saldo de 125,2 milhões de dólares quitado por Moscou, em 8 de agosto.

Nikita Kruschev e Fidel Castro retratados em pôster comemorativo da amizade entre soviéticos e cubanos

Esta última parcela era parte da dívida assumida pela URSS junto à antiga República Socialista Federativa da Iugoslávia e que posteriormente foi repartida de forma proporcional por seus Estados sucessores, dentre eles a Bósnia. No caso específico da Iugoslávia, o passivo foi acumulado após sucessivos déficits na balança comercial entre os dois países. Por anos, Moscou forneceu artigos de defesa e recursos energéticos para Belgrado, adquirindo em troca bens de consumo de maior valor agregado.

No entanto, a maior parte do débito soviético estava nas mãos de credores ocidentais. Dos 66 bilhões de dólares herdados como dívida pela Rússia após a desintegração da URSS, 60 bilhões eram cobrados por membros do Clube de Paris, grupo informal formado por Governos das grandes economias industrializadas. Este débito foi totalmente pago ainda em 2006, quando a economia russa era impulsionada pela alta dos preços internacionais do petróleo.

Mais que uma questão econômica, o Kremlin vem usando os compromissos financeiros da URSS como uma ferramenta política. Ao mesmo tempo em que quitava seu passivo, Moscou decidiu perdoar os montantes devidos por países como Coreia do Norte, Vietnã e Cuba, totalizando mais de 120 bilhões de dólares. Se por um lado esta política parece ser financeiramente desvantajosa, por outro a Rússia busca promover sua imagem de Estado forte e saudável e alavancar o seu papel de protagonista no cenário internacional. 

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 127º Congresso do Partido Comunista Soviético” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/27th_Congress_of_the_Communist_Party_of_the_Soviet_Union#/media/File:RIAN_archive_852682_XXVII_Congress_of_the_CPSU.jpg

Imagem 2Nikita Kruschev e Fidel Castro retratados em pôster comemorativo da amizade entre soviéticos e cubanos” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Cuba%E2%80%93Soviet_Union_relations#/media/File:Cuba-Russia_friendship_poster.jpg

About author

Mestrando no programa de Pós Graduação em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduado em História também pela UFRJ. Atua na área de Política Internacional, formação de alianças e segurança regional. Desenvolve pesquisas com enfoque específico no estudo dos países do Cáucaso do Sul, Eurásia e espaço pós-soviético. É membro do Grupo de Pesquisas de Política Internacional (GPPI/UFRJ) e do Laboratório de Estudos dos Países do Cáucaso (LEPCáucaso).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!