ÁfricaCOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Seca na Etiópia ilustra os desafios para a adaptação às mudanças climáticas

A severa seca que assola a Etiópia representa perfeitamente o dilema climático atual. O fenômeno do El Niño, ocorrido no ano passado (2016), somado às mudanças na temperatura no Oceano Índico ao longo de 2017 levaram a uma queda abrupta no ritmo das chuvas, comprometendo as colheitas e o abastecimento de água de centenas de milhares de famílias pastoris.

Logo da Amity Foundation

A região de Somali é a mais afetada. Está na parcela leste do país, em direção à Somália. Estima-se que 450 mil pessoas abandonaram os seus locais de origem e rumaram para campos de refugiados. Enquanto no ano passado o Governo etíope e as organizações internacionais conseguiram angariar, aproximadamente, 2 bilhões de dólares em fundos para a assistência a essas populações, neste ano (2017) a mesma quantia demonstra ser cada vez mais impossível, dada a emergência de crises similares em tantas outras regiões do continente, como na Nigéria e no Sudão do Sul.

Uma das poucas e últimas assistências internacionais veio da China – um dos principais parceiros econômicos e diplomáticos da Etiópia. A organização não-governamental chinesa Amity Foundation anunciou na última sexta-feira, dia 21 de julho, um projeto de, aproximadamente, 600 mil dólares a ser implementando na região de Somali. O auxílio foi anunciado na capital Addis Ababa, pelo cônsul chinês Lin Zhimin. Entretanto, a quantia sequer se aproxima do valor estimado de 1 bilhão de dólares necessários em doações e apoio para a mitigação total dos efeitos.

OXFAM distribuindo suplementos na Etiópia, durante a seca de 2011

As doações, por sua vez, conforme avalia o Comissário Etíope para o Gerenciamento de Riscos e Desastres, Mitiku Kassa, representam medidas paliativas, uma vez que a solução real do problema se faz um pouco mais complexa. Adaptação e resiliência são conceitos que despontam na compreensão de como sociedades deverão se adaptar às mudanças climáticas. No caso de Somali, especificamente, o elevado número de secas nos últimos 10 anos – em 2008 e 2011 também presenciou-se este fenômeno – demonstra haver uma tendência geral de repetição deste evento nos próximos anos e, com isso, uma intrínseca necessidade de adaptar os sistemas sociotécnicos de produção e de reprodução social à nova conjuntura ambiental. Para tanto, faz-se necessário não somente uma presença maior dos organismos internacionais nas formas de doações e financiamentos, mas também uma presença governamental na consolidação de assistência técnica.

Parte das autoridades políticas locais tem tentando induzir as famílias pastoris a novos tipos de atividade econômica, baseadas principalmente na agricultura sedentária, de uso intensivo de sistemas de irrigação promovidos pelo Governo. No entanto, a mudança planejada tem encontrado barreiras sociais e culturais. As famílias pastoris, tradicionalmente nômades, relutam em organizarem-se em formas de vida sedentária, tendo em vista que esta representa profunda ruptura com a tradicionais práticas e crenças.

Neste sentido, os entraves culturais e sociais que as famílias somalis encontram para a adaptação a uma nova conjuntura climática ilustra, mais do que adequadamente, as mesmas dificuldades que todos e todas ao redor do mundo encontrarão ao longo deste século para a adaptação. A edificação de comunidades resilientes às mudanças climáticas depende, inevitavelmente, de uma série de rupturas – as quais, muitas vezes, não se está disposto a incorrer.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1Foto USAID sobre as condições de seca na Etiópia” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/File:USAID_2011_Horn_of_Africa_Drought_Ethiopia.jpg

Imagem 2Logo da Amity Foundation” (FonteAmity Foundation):

http://www.amityfoundation.org/eng/organizational-structure

Imagem 3OXFAM distribuindo suplementos na Etiópia, durante a seca de 2011” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/2011_East_Africa_drought

About author

Economista pela ESALQ-USP, é atualmente mestrando em Sociologia pelo Programa de Pós- Graduação do IFCH-UFRGS. Foi pesquisador do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (IDESAM). Atualmente desenvolve pesquisas na área de Sociologia Econômica, Economia Política e Sociologia do Desenvolvimento. Escreve no CEIRI Newspaper sobre economia e política africana, como foco em Angola, Etiópia e Moçambique
Related posts
ECONOMIA INTERNACIONALEUROPANOTAS ANALÍTICAS

O mercado danês em tempos de Coronavírus

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU anuncia manter proteção a civis aos 10 anos da guerra na Síria

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Governo do Sudão compensa vítimas do ataque terrorista ao USS Cole

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Manufatura chinesa registra maior queda desde 2009 devido ao coronavírus

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by