ÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Tammam Salam: um independente ante o desafio da governabilidade no Líbano

Após dois anos no governo, o primeiro-ministro libanês, Najib Mikati, demitiu-se no passado dia 22 de março ante a intensificação da pressão entre os campos pró-Bashar al-Assad e anti-Bashar al-Assad[1], que o impediu de cumprir integralmente o mandato. Desde o final da “Guerra Civil” no Líbano, em 1990, o poder político tem sido dividido entre as facções religiosas preponderantes, a muçulmana xiita, a muçulmana sunita e a cristã maronita o que, não facilitando o equilíbrio de poderes, gera um grau de insegurança tanto mais elevado quando se sabe que dois grandes blocos, a “Aliança 8 de Março” e a “Aliança 14 de Março”, se digladiam respectivamente no apoio e na rejeição à Síria.

Tammam Salam[2], 68 anos, o Primeiro-Ministro indicado em 6 de abril, é um político experiente. Oriundo de uma família que se dedica à vida pública desde há gerações[3], Salam dirigiu a poderosa fundação “Al Makassed[4] entre 1982 e 2000 e serviu como ministro da Cultura entre julho de 2008 e novembro de 2009. Conhecido por se opor à presença síria no Líbano (simpatizante, portanto, dos ideais da “Aliança 14 de Março”), Salam foi proposto para primeiro-ministro pela “Aliança 8 de Março” e reuniu, na “Assembleia Nacional”, o apoio de um amplo leque de 124 votos favoráveis à sua indicação (o Parlamento libanês tem 128 assentos). O consenso do passado dia 6 de abril em torno do veterano político independente[5] visa a construção das plataformas necessárias para a nomeação de um governo de unidade nacional.

Salam terá que demonstrar possuir habilidades diplomáticas, além de capacidade política, para conseguir superar o “stand off” em que Mikati deixou o país. Se a onipresença síria na vida libanesa continuará a ser ora um obstáculo, ora uma virtude, a “Guerra Civil” no país vizinho, a chegada de aluviões de refugiados sírios ao Líbano e a difícil vizinhança com Israel por certo suscitarão a Tammam Salam e ao seu governo, por estes dias na antessala da estreia, o exercício do rigor e o enorme talento para superar a canibalização endêmica da vida política no “País dos Cedros”*.

——————–

* Forma como é referido o Líbano. A árvore do Cedro, tida como majestosa e indestrutível, adorna a sua bandeira.

——————–

Imagem (Fonte):

https://ceiri.news/wp-content/uploads/2013/04/599036-01-02.jpg

——————–

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://www.carnegie-mec.org/2013/03/23/lebanon-imperiled-as-prime-minister-resigns-under-duress/fsq9

[2] Ver:

https://twitter.com/SalamTammam

[3] Ver:

http://www.nytimes.com/2013/04/07/world/middleeast/tamam-salam-asked-to-form-a-government-in-lebanon.html?_r=1&

[4] Ver:

http://www.almakassed.edu.lb/index_ar.html

[5] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-22051776

Enhanced by Zemanta

About author

Possui graduação em Filosofia (bacharelado e licenciatura) pela Universidade Federal do Paraná (1999), com revalidação pela Universidade de Évora (2007), e mestrado em Sociologia (Poder e Sistemas Políticos) pela Universidade de Évora (2010). É doutoranda em Teoria Jurídico-Política e Relações Internacionais (Universidade de Évora). É professora da Faculdade São Braz (Curitiba), pesquisadora especialista do CEFi – Centro de Estudos de Filosofia da Universidade Católica Portuguesa (Lisboa), e pareceirista do CEIRI Newspaper (São Paulo).
Related posts
AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

AMÉRICA LATINAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Colômbia inaugura maior túnel latino-americano

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!