fbpx
AMÉRICA DO NORTEÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Tensões navais entre EUA e China aumentam

Os movimentos militares dos Estados nos oceanos são indicativos das relações de poder no ambiente internacional. O aumento da presença naval de um país em determinada área pode gerar suspeitas de busca de dominação e motivar respostas de outras nações. Nesse sentido, a forte presença chinesa no Mar do Sul da China provoca receios de nações asiáticas e dos Estados Unidos, tanto que o país americano aumentou sua assertividade na área, o que causou maiores tensões com os chineses.

Após haver participado de duas edições do exercício naval RIMPAC*, a marinha da China foi desconvidada pelo governo dos Estados Unidos para o exercício de 2018. A retirada do convite ocorreu em maio de 2018, em resposta ao crescimento do poderio chinês do Mar da China Meridional. O porta-voz do Departamento de Defesa estadunidense afirmou que “Como resposta inicial à contínua militarização do Mar do Sul da China, nós desconvidamos a Marinha da República Popular da China para o Exercício 2018 da Borda do Pacífico (RIMPAC). O comportamento chinês é inconsistente com os princípios e propósitos do exercício RIMPAC”.

O convite tinha sido feito em 29 de maio de 2017. Na ocasião, todas as nações que participaram do exercício de 2016 foram chamadas novamente. Apesar de estar em expansão, a presença chinesa no mar meridional ainda não era percebida como uma ameaça imediata pelo governo estadunidense. Cumpre notar, entretanto, que o Ato de Autorização de Defesa Nacional dos Estados Unidos para o Ano Fiscal 2000 já proibia contatos entre a China e os Estados Unidos que pudessem criar riscos à segurança nacional devido a uma exposição inapropriada.

Mapa das Ilhas Spratly

Em 2018, a percepção dos riscos aumentou. Os chineses construíram sete bases militares nas ilhas artificiais** no arquipélago Spratly***. O movimento é interpretado por altos funcionários norte-americanos como ameaça à resolução da disputa territorial na região pela via diplomática. O comandante da Marinha dos Estados Unidos para o Pacífico, Harry Harris, disse, em fevereiro de 2018, aos congressistas estadunidenses, que “a China está tentando garantir soberania de fato sobre áreas marítimas disputadas, por meio do aumento da militarização de suas bases construídas”. Imagens de satélite fornecidas pela DigitalGlobe mostram que há forte construção militar, com um porto de águas profundas, aeródromos completos, hangares, tendas militares e infraestrutura de comunicações nas ilhas Subi e Mischief.

A tensão entre as duas nações decorrente da decisão de retirar o convite aos chineses para participarem do RIMPAC pode agravar-se nos próximos meses. O Departamento de Defesa dos Estados Unidos descreveu a medida como “uma resposta inicial”, indicando que podem existir outras iniciativas para conter o poderio naval chinês no futuro. A reação da China ainda não é previsível, mas pode-se esperar agravamento da situação securitária no Mar da China Meridional em um futuro imediato.

———————————————————————————————–

Notas:

* Exercício militar entre os EUA e parceiros asiáticos que ocorre bienalmente. A sigla em inglês faz referência às bordas do oceano Pacífico. É considerado o maior exercício naval multinacional do mundo. A China foi convidada para os exercícios de 2014 e de 2016, pelo presidente Barack Obama, para ampliar a cooperação bilateral entre as marinhas dos dois países.

** A China construiu ilhas artificiais na região, de modo a aumentar a legitimidade de seu pleito sobre todo o território incluído na chamada linha de nove traços. Os chineses acreditam que têm direito histórico à soberania dessa área.

*** Conjunto de ilhas que é disputado por várias nações asiáticas, incluindo a China.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Marinheiros chineses em Qingdao, desfilando em uma visita da delegação naval dos Estados Unidos” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/People%27s_Liberation_Army_Navy

Imagem 2 Mapa das Ilhas Spratly” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Spratly_Islands

———————————————————————————————–

Demais Fontes Consultadas

[1] Ver:

https://thediplomat.com/2018/05/what-the-trump-administrations-decision-to-disinvite-the-chinese-navy-from-rimpac-2018-means/

[2] Ver:

https://thediplomat.com/2017/05/rimpac-2018-china-to-participate-in-major-us-naval-exercise/

[3] Ver:

http://news.abs-cbn.com/focus/02/16/18/china-has-7-new-military-bases-in-s-china-sea-us

[4] Ver:

https://www.spatialsource.com.au/gis-data/satellite-images-reveal-completed-military-bases-spratly-islands

About author

Especialista em Direito e Relações Internacionais pela Universidade de Fortaleza. Especialista em Desafios das relações internacionais, especialização oferecida pela Universidade de Leiden & pela Universidade de Genebra em parceria com o Coursera. Bacharel em Direito pela Universidade Federal do Ceará.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!