fbpx

Contrariando as expectativas de alguns especialistas[1], o novo Presidente do Irã”, Hassan Rouhani, cujo governo foi inaugurado no dia 3 deste mês, parece apresentar mudanças na condução da política externa do país. Por outro lado, a previsão era de que Rouhani tentasse modificar a política interna no Irã, sobretudo no que concerne o respeito aos Direitos Humanos”, a fim de aliviar as pressão internacional sobre seuPrograma Nuclear[1].

Ainda de acordo com os analistas, a questão dos “Direitos Humanos” figuraria, portanto, como a arena ideal para a demonstração de uma nova postura interna, pois, à diferença de problemas de outra natureza, frequentemente atribuídos ao Ocidente*, o tratamento que o Governo confere aos seus próprios cidadãos, sobretudo “torturando e matando iranianos sem o devido processo [legal]”[1], dificilmente pode ser responsabilizado por influências externas[1].

Nesse contexto em que a mudança da política interna aparece como ferramenta para reduzir o descontentamento internacional, o recente anúncio do Presidente defendendo uma política externa sem slogans agressivos[2] se apresenta como mais uma peça no jogo. Alegando ser da vontade daqueles que o elegeram uma mudança nas relações exteriores do país, Rouhani afirma estar buscando um distanciamento do discurso adotado por seu predecessor, Mahmoud Ahmadinejad[2][3].

Em realidade, essa postura não é de total surpresa para a comunidade internacional, que, desde sua posse, esperava que, enquanto ex-negociador nuclear, Rouhani reduzisse as pressões externas sobre o “Programa Nuclear” iraniano ao dar a devida atenção às preocupações internacionais[4].

Ainda assim, aquele que observar a política iraniana (externa e interna) não deve deixar de considerar que essas não são mudanças de princípio, mas mudanças de método. Nas palavras de Rouhani, “[N]ós vamos defender energicamente os nossos interesses nacionais, mas isso tem que ser feito adequadamente, com precisão e de forma racional[3].

—————————-

* Como, por exemplo, a situação econômica do Irã, que é pelo governo justificada como resultado das sanções impostas pela comunidade internacional.

—————————-

Imagem (Fonte):

http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2013/08/201381845511522757.html

—————————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://shadow.foreignpolicy.com/posts/2013/08/05/rouhanis_head_fake

[2] Ver:

http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2013/08/201381845511522757.html

[3] Ver:

http://www.bbc.co.uk/news/world-middle-east-23744267  

[4] Ver:

http://edition.cnn.com/2013/08/04/world/meast/iran-president/index.html

Enhanced by Zemanta

About author

Mestre em Segurança Internacional pela Paris School of International Affairs, Sciences Po, com especialidade em direitos humanos e Oriente Médio. Especialista em Ajuda Humanitária e ao Desenvolvimento pela PUC-Rio. Bacharel e licenciado em História pela UFF. Atualmente, atua como pesquisador da ONG palestina BADIL Resource Center, e possui experiência de campo na Cisjordânia. Escreve para o CEIRI Newspaper sobre crises humanitárias, violações de direitos humanos e fluxos migratórios e de refugiados.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!