ÁFRICAANÁLISES DE CONJUNTURA

Turismo nos Pequenos Estados Insulares africanos e o Covid-19

O termo Pequenos Estados Insulares em Desenvolvimento foi criado no contexto da Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e Desenvolvimento – também conhecida como a Cúpula da Terra, em 1992, com o intuito de atribuir o reconhecimento a um específico grupo de países que enfrentam desafios atrelados a sua condição geográfica. Esta designação concerne ao seu processo de desenvolvimento, que se depara com a dependência de importações devido ao pouco diverso mercado interno, à vulnerabilidade a choques externos e a catástrofes naturais. 

O contexto atual trouxe mais um desafio para alguns Estados Insulares, que possuem como principal atividade econômica o turismo e o setor de prestação de serviços. Como apontam as informações divulgadas pela Organização Mundial do Turismo (OMT), a pandemia do Covid-19 resultou em medidas de restrições a viagens internacionais, a nível global. Tais restrições à mobilidade, causada por esta emergência de saúde começou a ser posta em prática com o anúncio da Organização Mundial da Saúde sobre a gravidade da Covid-19, em janeiro de 2020.

Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, Cabo Verde

No que tange às determinações adotadas para mitigar a transmissão do vírus encontra-se o fechamento total ou parcial das fronteiras para fins turísticos; a suspensão de voos internacionais; a limitação de pessoas que estiveram em países com grandes índices da Covid-19; bem como o estímulo ao isolamento social voluntário. Como resultado, a OMT prevê que o ano de 2020 terá um déficit global entre 20% e 30% nas receitas de turismo, o que representa a perda aproximada de entre 300 a 450 bilhões de dólares (cerca de 1,7 a 2,5 trilhões de reais, na cotação de 4 de maio de 2020).

Mais especificamente, no que tange às pequenas ilhas lusófonas do continente africano, como o arquipélago de Cabo Verde, ao longo 2019 o setor hoteleiro registrou a hospedagem de 819 mil pessoas, 7% a mais do que em 2018, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde. Torna-se necessário observar que 46% do Produto Interno Bruto (PIB) do país provém do turismo, por isso, em virtude dos efeitos econômicos que a pandemia gerou, se estima a queda de 12% do seu PIB.

Tendo em vista o que causará na balança de pagamentos do Estado, o Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou em abril a Linhas de Crédito Rápido, no total de 32 milhões de dólares (aproximadamente 175,55 milhões de reais, conforme a mesma cotação). Em complemento, Cabo Verde também adotou medidas para auxiliar o setor privado turístico com concessão de empréstimos para grandes, pequenas e microempresas de turismo e transporte, além da prorrogação das obrigações fiscais.

Aeroporto Internacional de São Tomé, São Tomé e Príncipe

Não diferentemente, São Tomé e Príncipe também teve aprovado o auxílio do FMI no valor de 12 milhões de dólares (cerca de 66 milhões de reais, ainda conforme a mesma cotação). O arquipélago se comprometeu em adotar ações voltadas para o auxílio social da população mais vulnerável ao vírus e às consequências econômicas, tal como a promoção de assistência a pequenas e microempresas; fornecimento de insumos para a produção de artigos essenciais; estímulo aos Bancos para flexibilização das taxas bancárias; e moratória temporária de dívidas de empresas.

A retomada do fluxo de viajantes após o período de recuperação de epidemias é de 19 meses, de acordo com o Conselho Mundial de Viagem e Turismo. Esta abrupta alteração na demanda dos serviços turísticos devido a pandemia evidenciou a relevância deste setor para muitas comunidades. Apesar das consequências desafiadoras para as pequenas economias insulares, o respeito às medidas de segurança, além de salvar vidas, pode antecipar a retomada dos fluxos de visitante em até 10 meses. Neste ínterim, a cooperação internacional e a assistência fornecida pelas Organizações Internacionais podem vir a contribuir para a mitigação destes efeitos.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Cidade de Praia, Cabo Verde” (Fonte): https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/6/6a/Praia_aerial.jpg/800px-Praia_aerial.jpg

Imagem 2Aeroporto Internacional Amílcar Cabral, Cabo Verde” (Fonte): https://pt.wikipedia.org/wiki/Aeroporto_Internacional_Am%C3%ADlcar_Cabral#/media/Ficheiro:GVAC_SID.jpg

Imagem 3Aeroporto Internacional de São Tomé, São Tomé e Príncipe” (Fonte): https://pt.wikipedia.org/wiki/Aeroporto_Internacional_de_S%C3%A3o_Tom%C3%A9#/media/Ficheiro:Sao_Tome_Airport_1_(15627228594).jpg

About author

Bacharela em Relações Internacionais pela Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA). Dentre as áreas de interesse encontram-se Cooperação Técnica Internacional e Segurança Internacional. Como colaboradora do CEIRI Newspaper escreve sobre o continente africano, mas especificamente os países de língua portuguesa.
Related posts
AMÉRICA LATINAANÁLISES DE CONJUNTURA

A preparação digital na América do Sul

ANÁLISES DE CONJUNTURAEUROPA

A Noruega planeja retirar recursos do Fundo de Pensão Global

ANÁLISES DE CONJUNTURADireito Internacional

ACNUR alerta para “Trajetória Migratória” no Mediterrâneo

ANÁLISES DE CONJUNTURAORIENTE MÉDIO

O novo governo e novas agendas políticas para o Iraque

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by