EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

UE anuncia novas sanções contra Rússia

A União Europeia anunciou no dia de ontem, 29 de julho, a aprovação de uma novarodadade sanções econômicas contra a Federação Russa, que deverão entrar em rigor até a sexta-feira desta semana[1]. Após um debate de oito horas, os 28 embaixadores dos Estados-Membros da UE, no âmbito do Conselho da União Europeia, concordaram com um novo “pacote” de sanções, o maior em extensão desde o término da Guerra Fria[2].

Em declaração conjunta emitida ontem, o Presidente da Comissão Europeia e o Presidente do Conselho Europeu, José Manuel Barroso e Herman van Rompuy, respectivamente, anunciaram que o rigor das novas sanções deu-se aos recentes acontecimentos no leste da Ucrânia e a, suposta, no entendimento dos autores, ausência de uma resposta russa com o intuito de garantir a segurança de civis na região.

De acordo com a declaração, “a Federação Russa a União Europeia têm interesses comuns importantes. Ambos irão se beneficiar com um diálogo aberto e franco, de uma maior cooperação e intercâmbio. Mas não podemos prosseguir esta agenda positiva importante quando a Crimeia é anexada de forma ilegal, quando a Federação Russa apoia a revolta armada no leste da Ucrânia, quando a violência desencadeada mata civis inocentes[3].

A ação da UE seria uma resposta ao descumprimento por parte da Rússia em cessar o fornecimento de armas aos ucranianos pró-Rússia e em cooperar amplamente nas investigações da queda o avião da Malaysia Airlines no leste ucraniano, conforme acordado na semana passada entre os ministros das relações exteriores da Rússia e de países da UE[2].

As sanções visam (I) limitar o acesso ao mercado de capitais europeu por parte de bancos estatais russos; (II) criar um embargo ao comércio, exportação e importação, de armas e de materiais correlatos, que só será aplicado aos contratos futuros, não tendo assim caráter retroativo*; (III) barrar o comércio de bens de “uso duplo”**, somente quando o propósito for para o uso militar; (IV) por fim, limitar o acesso russo a tecnologias europeias destinadas a setores estratégicos, em grande parte relacionadas ao setor energético.

As sanções europeias serão reavaliadas constantemente e terão fim caso haja uma mudança de postura por parte da Rússia. Conforme estabelecido na declaração conjuntura, a UE poderá por um fim nas sanções no momento em que a Rússiacomeçar a contribuir ativamente, e sem ambiguidades, [com o objetivo] de encontrar uma solução para crise ucraniana[3].

—————————————————————————

* Com isso, este embargo não irá prejudicar a venda dos dois navios Porta-Helicópteros Mistral, de origem francesa, que já estavam acordados. Estima-se que o valor do negócio seja de € 1.2 bilhão.

** Produtos que podem ser aplicados tanto para fins militares quanto para fins civis.

—————————————————————————

Imagem (Fonte):

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/73/EU_RUSSIA.PNG

—————————————————————————

Fontes consultadas:

[1] Ver:

http://euobserver.com/foreign/125141

[2] Ver:

http://www.theguardian.com/world/2014/jul/29/economic-sanctions-russia-eu-governments

[3] Ver:

http://europa.eu/rapid/press-release_STATEMENT-14-244_en.htm

About author

Mestrando em Ciência Política pela Universidade de São Paulo (Usp); Bacharel em Relações Internacionais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (Puc-SP). Colaborador do Núcleo de Análise da Conjuntura Internacional (NACI) e do Núcleo de Estudos de Política, História e Cultura (Polithicult). Experiência profissional como consultor de negócios internacionais. Atua nas áreas de Política Internacional, Integração Europeia, Negócios Internacionais e Segurança Internacional. No CEIRI NEWSPAPER é o Coordenador do Grupo Europa.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!