EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

União Europeia avalia a implementação de sua Estratégia para Segurança Marítima

Em 14 de junho de 2017 foi divulgado o segundo relatório* sobre a execução do Plano de Ação relativo à “Estratégia da União Europeia para Segurança Marítima” (EU Maritime Security Strategy – EUMSS). Trata-se de um relato construído com base na contribuição e aportes fornecidos pelos próprios Estados-membros e outros atores europeus acerca dos avanços práticos realizados no âmbito da Estratégia.

A EUMSS foi aprovada em junho de 2014, com o objetivo de delinear a visão europeia sobre os mares adjacentes aos seus países membros, bem como dos seus interesses específicos localizados em outras áreas do globo. Em dezembro do mesmo ano o Plano de Ação que colocou a EUMSS em execução foi aprovado pelo Conselho da União Europeia. Desde então, o Bloco tem desenvolvido diversas iniciativas no âmbito da EUMSS para apoiar seus planos internos voltados ao conhecimento do seu ambiente marinho lindeiro, à mobilização econômica da área e à caracterização securitária desse entorno marítimo.

Capa do um documento da União Europeia sobre a sua Estratégia para Segurança Marítima

O documento está organizado em cinco grandes áreas, a saber: (i) compartilhamento de informações sobre as iniciativas marítimas; (ii) construção e desenvolvimento de capacidades; (iii) interação com outras estratégias regionais e setoriais da UE; (iv) pesquisa e inovação marítima de uso de capacidades e treinamento dual; (v) cooperação entre agências nacionais, europeias e internacionais.

Em linhas gerais, o relatório expõe como um dos principais resultados da implementação da Estratégia o aumento da articulação e coordenação dos atores europeus envolvidos com a área marítima, com destaque para a integração entre os setores civis e militares. Outros impactos de relevo listados pelo relatório são: (i) subsidio à construção dos posicionamentos europeus para o Ártico e para a governança internacional dos oceanos; (ii) construção de capacidades marítimas em terceiros países; (iii) desenvolvimento tecnologias de uso duplo; (iv) fomento à agenda de pesquisa civil-militar.

O texto faz um balanço positivo da implementação da Estratégia. Mesmo assim, destaca que o elevado número de ações em operação (134) e a diversidade apresentada pelos aportes de cada ator tornam difícil a visualização do panorama completo do processo de execução da Estratégia. O relativo pioneirismo que uma iniciativa desse porte voltada ao ambiente marítimo representa, bem como o seu pouco tempo em vigor – apenas três anos – evidenciam, naturalmente, que os impactos mais substanciais ainda precisam de maior tempo para amadurecer.

———————————————————————————————–

Notas:

* O primeiro relatório foi apresentado em junho de 2016.

———————————————————————————————–

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Mapa das principais áreas marítimas europeias” (Fonte):

http://ec.europa.eu/assets/mare/infographics/

Imagem 2 Capa do um documento da União Europeia sobre a sua Estratégia para Segurança Marítima” (Fonte):

https://ec.europa.eu/maritimeaffairs/sites/maritimeaffairs/files/leaflet-european-union-maritime-security-strategy_en.pdf

About author

Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestre em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência acadêmica nas áreas de governança internacional, estudos europeus e regimes internacionais. Atualmente é Analista de Relações Internacional na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com atuação nas áreas de articulação, desenvolvimento e cooperação internacional. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, Políticas Globais, Europa, Cooperação Técnica e Cooperação Científica.
Related posts
Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Reunião de Alto Nível sobre os direitos da mulher é realizada durante a Assembleia Geral da ONU

AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Evo Morales e Rafael Correa fora das eleições na Bolívia e no Equador

NOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Repressão à greve de professores aumenta preocupação com repressão na Jordânia

ÁSIACOOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

China promete fornecer mais tropas para as operações de paz das Nações Unidas

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!