AMÉRICA LATINANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Uruguai aprova o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo

No passado dia 10 de abril, o Parlamento uruguaio aprovou a lei que permite o matrimônio entre pessoas do mesmo sexo, convertendo o país no segundo da América Latina” e duodécimo no mundo em validar por norma este direito.

O “Projeto de Lei” já tinha sido aprovado em primeira instancia em dezembro de 2012, e foi ratificado pelo Senado por 23 votos a favor e 8 contra, no inicio deste mês de abril de 2013. Semana passada, ele foi aprovado com correções por 71 dos 92 parlamentares pertencentes a todos os partidos políticos com representação no “Poder Legislativo”, em meio a gritos de “¡igualdad!” entre o publico assistente[1].

A Lei aprovada – que substitui os termos “marido” e “mulher” por “cônjuges” ou “contraentes” – autoriza também a adoção e permite a qualquer matrimônio (sem distinção de sexo) à escolha da ordem dos sobrenomes de seus filhos. Entre os heterossexuais, os filhos receberão o sobrenome do pai, salvo acordo mutuo em colocar primeiro o da mãe. Esta lei devera ser promulgada pelo “Poder Executivo” nos próximas messes, logo após algumas correções de formalidade a ser feitas pelo Parlamento com a aprovação de uma nova lei de igual conteúdo.

“Graças à Argentina e a Espanha, nos temos aprendido acerca de todo o processo que ali se viveu. Ao nosso país, vieram para assessorar-nos ativistas espanhois, como o socialista Pedro Zerolo e vários argentinos. Essa solidariedade foi muito importante”[2] declarou Federico Graña, deputado pela coalizão de partidos “Frente Ampla” que governa o país e membro da ONG Colectivo Ovejas Negras”, uma das principais promotoras desta iniciativa com o slogan Matrimonio Igualitario[3].

Consultado, o deputado oficialista Jorge Orrico afirmou: “Esta lei reconhece situações que a sociedade mantinha debaixo do tapete (…). Em que está condicionando minha liberdade que o meu vizinho esteja casado com uma mulher ou com um homem? Em nada. Mas durante séculos fomos influenciados por uma serie de valores, muitos de origem religiosos (…)”[2]. O deputado José Carlos Cardozo, pelo “Partido Nacional”, embora seja de oposição ao governo, sublinhou: “O Uruguai discutiu muito sobre direitos civis no inicio do século XX, logo após isto se congelou. Esta lei nos insere neste tipo de debates. A sociedade tem mudado e o único que o Parlamento faz é reconhecer situações existentes”[2].

A Igreja Católica uruguaia recordou as palavras do Papa Francisco, quando era Arcebispo de Buenos Aires e o governo argentino trabalhava na aprovação da primeira lei destas características na America Latina. O “Bispo de Canelones”, Alberto Sanguinetti, convocou uma manifestação similar à realizada recentemente na França[4]

Em 2001, a Holanda se converteu no primeiro país do mundo a permitir o matrimônio homossexual, seguido da Bélgica (2003), Espanha e Canadá (2005), África do Sul (2006), Noruega (2009), Portugal, Islândia e Argentina (2010), e Dinamarca (2012). Os Estados Unidos reconhecem este direito em seis Estados; o México, em sua Capital e no Estado de Quintana Roo, e o Brasil reconhece no Estado de Alagoas. 

A aprovação desta Lei reforça o destaque que vem ganhando o Uruguai pela adoção de políticas sociais e civis mais flexíveis. Exemplo disto é o debate político sobre leis que regulem a produção e a comercialização de maconha, assim como a descriminalização do aborto aprovada ano passado.

———————-

Fontes consultadas:

[1] Ver:

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=FcjhhJpQTjs

[2] Ver:

http://internacional.elpais.com/internacional/2013/04/11/actualidad/1365633649_404726.html

[3] Ver:

http://ovejasnegras.org/

[4] Ver:

http://www.montevideo.com.uy/ucmovil_196293_1.html

—————————

 Ver também:

http://ladiaria.com.uy/articulo/2013/4/iguales-ante-la-ley/

Ver também “Analise de Conjuntura:  Uruguai é Quarto país da America Latina a descriminalizar o aborto:

https://ceiri.news/index.php?option=com_content&view=article&id=3326:uruguai-e-o-primeiro-pais-da-america-latina-a-descriminalizar-o-aborto&catid=33:analises-de-conjuntura&Itemid=644

About author

É mestrando em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS, Brasil) e Mestrando em Ciências Humanas - Opção Estudos Latino-americanos pela Faculdade de Humanidades e Ciências da Educação, UdelaR, e Diplomado em Cooperação Internacional pelo Centro Latino-Americano de Economia Humana (CLAEH, Uruguai). Bacharel em Relações Internacionais, formado pela Faculdade de Direito, Universidade da República (UdelaR, Uruguai). Entre outras atividades, foi colaborador no projeto “Inovação e Coesão Social no Mercosul” (Secretaria Executiva de Mercocidades com financiamento da União Européia) e Consultor Jr. na ONG “Iniciativas para la Cooperación Internacional, el Desarrollo y la Integración Regional” (INCIDIR, Argentina).
Related posts
NOTAS ANALÍTICASSegurança Internacional

Soldado embriagado na República Democrática do Congo mata 12 civis

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU relata violação aos Direitos Humanos em áreas de Mineração na Venezuela

COOPERAÇÃO INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICASORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL

“Ágil, Eficiente e Responsável”: a nova fórmula para a FAO

ÁFRICANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Primeira-Ministra do Gabão: novidade histórica

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by