[:pt]

No dia 23 de outubro, Viktor Orbán, Primeiro-Ministro da Hungria, frequentou novamente o noticiário internacional após o seu polêmico discurso à nação, por ocasião da celebração do sexagésimo aniversário da Revolução Húngara de 1956, evento símbolo da histórica resistência da Hungria à ocupação soviética que inspirou, inclusive, movimentos de resistência em outros países então ocupados pela União Soviética.

Orbán, tendo como mote subliminar a sua insatisfação com o sistema de cotas de imigrantes que a União Europeia deseja alocar em cada Estado membro, declarou: “Nós (os húngaros) não devemos aceitar a transformação da União Europeia em um império moderno. Não queremos que ele substitua a aliança de Estados Europeus livres pela União dos Estados da Europa. Hoje, a missão dos europeus que apoiam a liberdade é salvar Bruxelas da sovietização e da sua ambição por decidir, ao invés de nós, quem deve viver em nossa pátria” (tradução livre).

Este é o mais recente episódio que opõe o Primeiro-Ministro húngaro e a cúpula executiva da União Europeia, sediada em Bruxelas. A escolha da ocasião, uma festividade nacional muito significativa para a Hungria, e a comparação entre Bruxelas e a União Soviética sugerem que o líder húngaro está optando por consolidar uma posição de confrontação política que assume contornos de difícil reconciliação.

Ao longo do último ano (2015), os desencontros entre Orbán e a cúpula executiva da União Europeia se desenvolveram principalmente em torno do forte impacto com que a Hungria foi atingida pela onda migratória de refugiados. Fato que, na sua visão, resulta em ameaças às raízes identitárias da Europa e à liberdade de cada Estado membro.

Contudo, ambos já vem acumulando desentendimentos desde 2013, quando ele iniciou movimentações para alterar a Constituição húngara. Esta iniciativa foi vista com preocupação pelo Bloco, uma vez que potencialmente atenta contra o Estado de Direito e os direitos humanos na Hungria.

A evolução recente deste atrito político conta ainda com especulações controversas acerca da proximidade entre Orbán e Putin, bem como de supostas intenções ditatoriais do mandatário húngaro. A despeito das especulações, o fato é que a guinada conduzida por Orbán nos últimos anos para uma postura nacional-populista conservadora, tentando usar a questão dos refugiados como elemento de mobilização nacional, tende a ser vista internacionalmente como uma atitude com maior propensão a eventuais radicalizações que ameacem a ordem democrática e a estabilidade política regional do leste europeu.

———————————————————————————————–                    

ImagemViktor Orbán, PrimeiroMinistro húngaro, discursa na cerimônia oficial em homenagem ao sexagésimo aniversário da Revolução Húngara de 1956, realizada em 23/10/2016” (Fonte):

http://www.kormany.hu/en/the-prime-minister/photo-galleries/official-state-celebration-to-mark-the-sixtieth-anniversary-of-the-1956-revolution-and-freedom-fight

[:]

About author

Graduado em Relações Internacionais pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e mestre em Política Internacional e Comparada pela Universidade de Brasília (UnB). Possui experiência acadêmica nas áreas de governança internacional, estudos europeus e regimes internacionais. Atualmente é Analista de Relações Internacional na Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) com atuação nas áreas de articulação, desenvolvimento e cooperação internacional. Principais ramos de atuação: Relações Internacionais, Políticas Globais, Europa, Cooperação Técnica e Cooperação Científica.
Related posts
ÁFRICAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Oleoduto entre Angola e Zâmbia

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

Conselho de Direitos Humanos da ONU discute projeto de Tratado sobre a Responsabilidade de empresas e Estados pelo respeito aos Direitos Humanos

NOTAS ANALÍTICASTecnologia

Laboratório da Samsung na Rússia na vanguarda dos “deepfake”

EUROPANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Extinction Rebellion toma conta das ruas de Londres, em protesto pelo clima

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá!
Powered by