fbpx
ÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Vínculos entre Azerbaijão e British Petroleum (BP) são estendidos até 2050

A gigante British Petroleum (BP), com sede no Reino Unido, e a SOCAR, empresa estatal de energia do Azerbaijão, assinaram na última quinta-feira, dia 14 de setembro, um contrato que amplia até 2050 o acordo de compartilhamento da produção de petróleo e gás do complexo de campos petrolíferos conhecido como Azeri–Chirag–Gunashli. A BP lidera um consórcio que conta também com as empresas Chevron, Inpex, Statoil, ExxonMobil, TPAO, Itochu e ONGC Videsh, além da própria SOCAR.

Autoworkers e seus apoiadores se reúnem fora das instalações de montagem da Oshawa da GM em 12 de junho de 2008 em Oshawa, no Canadá

A extração de petróleo do Azeri–Chirag–Gunashli começou em 1997 e até agora produziu mais de 3 bilhões de barris. As reservas restantes estimadas são de 570 milhões de toneladas de petróleo bruto e cerca de 150 bilhões de metros cúbicos de gás. Atualmente, o complexo de campos produz diariamente cerca de 585 mil barris de petróleo e 33 milhões de metros cúbicos de gás. Espera-se que nesta nova fase da parceria os números possam crescer.

A participação do Estado azerbaijano no consórcio aumentará de 11,7% para 25%, enquanto a da BP diminuirá de 35,8% para 30,4%. Os investidores ainda aportarão 3,6 bilhões de dólares ao Fundo Estatal de Petróleo do Azerbaijão como bônus de assinatura. Outros 40 bilhões de dólares também serão investidos para o desenvolvimento da exploração ao longo dos 32 anos de vigência do contrato.

O acordo anterior previa o término da parceria para 2024 e tinha sido assinado em 1994, por iniciativa de Heydar Aliyev, então Presidente azerbaijano e pai do atual governante, Ilham Aliyev. Á época, esta abertura das reservas energéticas do país para a exploração estrangeira ficou conhecida como o “contrato do século e foi fundamental para a recuperação financeira do Azerbaijão após a longa guerra contra a Armênia, encerrada por um cessar-fogo também em 1994. Sobre esse novo projeto, Ilham Aliyev afirmou ser “um evento histórico” e de “importância crucial para o futuro desenvolvimento do Azerbaijão”.

———————————————————————————————-                     

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Campos de petróleo no Azerbaijão” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Petroleum_industry_in_Azerbaijan#/media/File:Oil_Rocks_near_Baku.jpg

Imagem 2Posto de combustível da SOCAR, em Baku, capital do Azerbaijão” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/SOCAR#/media/File:SOCAR_fuel_filling_station.JPG

About author

Mestrando no programa de Pós Graduação em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduado em História também pela UFRJ. Atua na área de Política Internacional, formação de alianças e segurança regional. Desenvolve pesquisas com enfoque específico no estudo dos países do Cáucaso do Sul, Eurásia e espaço pós-soviético. É membro do Grupo de Pesquisas de Política Internacional (GPPI/UFRJ) e do Laboratório de Estudos dos Países do Cáucaso (LEPCáucaso).
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!