ÁSIANOTAS ANALÍTICASPOLÍTICA INTERNACIONAL

Vínculos entre Azerbaijão e British Petroleum (BP) são estendidos até 2050

A gigante British Petroleum (BP), com sede no Reino Unido, e a SOCAR, empresa estatal de energia do Azerbaijão, assinaram na última quinta-feira, dia 14 de setembro, um contrato que amplia até 2050 o acordo de compartilhamento da produção de petróleo e gás do complexo de campos petrolíferos conhecido como Azeri–Chirag–Gunashli. A BP lidera um consórcio que conta também com as empresas Chevron, Inpex, Statoil, ExxonMobil, TPAO, Itochu e ONGC Videsh, além da própria SOCAR.

Autoworkers e seus apoiadores se reúnem fora das instalações de montagem da Oshawa da GM em 12 de junho de 2008 em Oshawa, no Canadá

A extração de petróleo do Azeri–Chirag–Gunashli começou em 1997 e até agora produziu mais de 3 bilhões de barris. As reservas restantes estimadas são de 570 milhões de toneladas de petróleo bruto e cerca de 150 bilhões de metros cúbicos de gás. Atualmente, o complexo de campos produz diariamente cerca de 585 mil barris de petróleo e 33 milhões de metros cúbicos de gás. Espera-se que nesta nova fase da parceria os números possam crescer.

A participação do Estado azerbaijano no consórcio aumentará de 11,7% para 25%, enquanto a da BP diminuirá de 35,8% para 30,4%. Os investidores ainda aportarão 3,6 bilhões de dólares ao Fundo Estatal de Petróleo do Azerbaijão como bônus de assinatura. Outros 40 bilhões de dólares também serão investidos para o desenvolvimento da exploração ao longo dos 32 anos de vigência do contrato.

O acordo anterior previa o término da parceria para 2024 e tinha sido assinado em 1994, por iniciativa de Heydar Aliyev, então Presidente azerbaijano e pai do atual governante, Ilham Aliyev. Á época, esta abertura das reservas energéticas do país para a exploração estrangeira ficou conhecida como o “contrato do século e foi fundamental para a recuperação financeira do Azerbaijão após a longa guerra contra a Armênia, encerrada por um cessar-fogo também em 1994. Sobre esse novo projeto, Ilham Aliyev afirmou ser “um evento histórico” e de “importância crucial para o futuro desenvolvimento do Azerbaijão”.

———————————————————————————————-                     

Fontes das Imagens:

Imagem 1 Campos de petróleo no Azerbaijão” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Petroleum_industry_in_Azerbaijan#/media/File:Oil_Rocks_near_Baku.jpg

Imagem 2Posto de combustível da SOCAR, em Baku, capital do Azerbaijão” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/SOCAR#/media/File:SOCAR_fuel_filling_station.JPG

About author

Mestrando no programa de Pós Graduação em História Comparada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e graduado em História também pela UFRJ. Atua na área de Política Internacional, formação de alianças e segurança regional. Desenvolve pesquisas com enfoque específico no estudo dos países do Cáucaso do Sul, Eurásia e espaço pós-soviético. É membro do Grupo de Pesquisas de Política Internacional (GPPI/UFRJ) e do Laboratório de Estudos dos Países do Cáucaso (LEPCáucaso).
Related posts
NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Avifavir: o antiviral russo contra a Covid-19

ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Em meio à pandemia global, exportações chinesas apresentam aumento inesperado no mês de julho

NOTAS ANALÍTICASSegurança Internacional

Soldado embriagado na República Democrática do Congo mata 12 civis

Direito InternacionalNOTAS ANALÍTICAS

ONU relata violação aos Direitos Humanos em áreas de Mineração na Venezuela

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!
Powered by