fbpx
AMÉRICA DO NORTENOTAS ANALÍTICASORIENTE MÉDIOPOLÍTICA INTERNACIONAL

Washington reage negativamente ao Referendo curdo no Iraque

Um total de 92,7% pessoas disseram sim no Referendo curdo realizado no norte do Iraque, em 25 de setembro de 2017, que prevê a constituição de um Estado independente para os 8,4 milhões de habitantes da região conhecida como Curdistão iraquiano.

O anúncio oficial da vitória da secessão ocorreu dois dias após o pleito, em Erbil, capital do Governo Regional do Curdistão (KRG, na sigla em inglês), pelo Ministro das Relações Exteriores deste governo, Falah Mustafa Bakir, e pelo presidente do governo regional curdo Masoud Barzani.

Cédula de votação do referendo

Sob protestos, Irã e Turquia adotaram posições duras durante a votação. Conforme disseminado na imprensa, dentre elas aqui no CEIRI NEWSPAPER pelo especialista João Gallegos, Teerã cancelou voos para Erbil, a pedido de Bagdá, e o presidente turco Recep Tayyip Erdorgan ameaçou cortar as exportações de petróleo curdo, assim como deixar em alerta as tropas localizadas na fronteira iraquiana. Em resposta aos vizinhos, o ministro Bakir afirmou à Foreign Policy “não estar blefando e que o intuito era garantir uma vida melhor às futuras gerações“.

Em Washington, o posicionamento inicial veio através de nota oficial emitida pelo Departamento de Estado às vésperas do Referendo, advertindo Erbil de que “é altamente improvável que haja negociações com Bagdá, e a oferta internacional de apoio às negociações será encerrada”.

Para as autoridades dos EUA há o temor de que o Referendo prejudique o primeiro-ministro iraquiano Haider al Abadi, bastante impopular no país, e inviabilize o combate aos terroristas do Estado Islâmico.

Outro motivo analisado por especialistas e membros do governo em Washington está atrelado à possibilidade de o voto de independência constituir uma divisão mais profunda, não apenas do Iraque, mas do Curdistão iraquiano, onde ocorrem tensões políticas entre facções. Nesse sentido, para uma parcela de curdos, a consulta popular defendida pelo presidente do Governo Regional do Curdistão, Masoud Barzani, seria uma forma de consolidar o domínio de seu partido político.

Com o posicionamento contrário de Washington ao Referendo é possível que, além da dissolução da coalizão contra o Estado Islâmico, haja aumento da fricção entre curdos e Bagdá que, segundo diplomatas consultados, poderia beneficiar a insurgência terrorista sunita e aumentar influência iraniana, algo que fortaleceria os extremos da política iraquiana, especialmente as milícias xiitas leais a Teerã, minando Abadi e outras lideranças moderadas antes das próximas eleições nacionais, em abril de 2018.

———————————————————————————————–                    

Fontes das Imagens:

Imagem 1Bandeira do Curdistão tremulando na cidade de Kirkuk” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Iraqi_Kurdistan_independence_referendum,_2017#/media/File:Sulaymaniyah-Kirkuk_Road.jpeg

Imagem 2 Cédula de votação do referendo” (Fonte):

https://en.wikipedia.org/wiki/Iraqi_Kurdistan_independence_referendum,_2017#/media/File:Kur2017rrr.jpg 

About author

Bacharel em Relações Internacionais (2009) pela Faculdades de Campinas (FACAMP), Especialista em Direito Internacional pela Escola Paulista de Direito (EPD) e Especialista em Política Internacional pelo CEIRI (Centro de Estratégia, Inteligência e Relações Internacionais). Atuou em duas grandes multinacionais do setor de tecnologia e na área de Cooperação Internacional na Prefeitura Municipal de Campinas com captação de recursos externos, desenvolvimento de projetos na área econômica e comercial e buscando oportunidades de negócios para o município. Foi Consultor de Novos Negócios na Avanth International em Campinas/SP e atualmente é Analista de Foreign Trade e Customer Care na Novus International Inc. Escreve sobre América do Norte com foco nos Estados Unidos.
Related posts
ÁSIAECONOMIA INTERNACIONALNOTAS ANALÍTICAS

Fundo Monetário Internacional estima crescimento da economia chinesa em quase 2%, contrariando tendência mundial

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Conselho Europeu se reúne para tratar de ação conjunta europeia para combater a COVID-19

NOTAS ANALÍTICASPARADIPLOMACIA

As cidades mais caras da América Latina

NOTAS ANALÍTICASPOLÍTICAS PÚBLICASSAÚDE

Resposta à COVID-19 nas Américas pode sofrer transformação a partir de novos testes rápidos

Receba nossa Newsletter

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá!